mesa livre para a vida

não se descreve o viver. para quê tentar?

17 dezembro 2006

máscaras caídas

at Globe masks

se tudo é transitório deixemos cair as máscaras

da teatral eternidade

pensei e fiz. baixei as guardas quase todas

( não quero pensar em arrependimento)

e ficou tudo tão inusitadamente límpido

o que era a sépia renovou o branco

torrentes de uma chuva que nem cai

criaram rios novos de águas luminosas

e eram meus os rios

de novo meus!

a tua gargalhada entrou dentro das máscaras

e sei que a ouvirei

por dentro delas se as voltar a usar.

tu, verdadeiro rio a gargalhar!

2 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial